Issue Home Mag Home

OS PIOLHEIROS

Javier Perucho
Tradução do espanhol por Barbara Galindo

Necessitava de um cabelo longo, tão longo como o de Cristina, para amarrar o piolho pela pata, daí fui procurá-la. Ali estava, sentada nas escadas, iluminada pelo sol matutino, desembaraçando sua longa, lisa e negra cabeleira. Me aproximei em sigilo, mas quando se apercebeu de minha chegada, sentei-me atrás dela. Observei sua mão, a escova e como alisava essa torrente negra. Aguardei apenas um momento. Quando um dos fios flutuava em sua nuca, tomei-o entre meus dedos e o puxei. Não esperei as mãozadas nem os gritos de Cristina, corri enrolando o fio pretíssimo no dedo mindinho, que me servia de corda para que o piolho não escapasse enquanto combatia contra os pretos ou agalegados que meus amigos trouxeram. Agarrei o meu logo cedo, quando me penteava e ele deslizou sobre meu ombro. Guardei-o num frasco vazio de perfume, cujo líquido frugal evaporava das costas de Cristina.
Quando me viram correndo, já posicionados no pátio da vizinhança, meus amigos me assoviaram, pois me esperavam para atiçar os piolhos amarrados. Como cada um levava o seu, me propuseram um desafio. Eu disse que sim, mas que só me faltava outro fio para atá-lo. Procura Cristina, ordenaram em coro. Foi o que fiz.
À luz do meio-dia, o piolho parecia um tourinho em miniatura, com a barriga gorda pelo bom jantar que teve enquanto eu dormia. Espero que hoje este ganhe, eu me dizia, apesar de que os meus sempre me deixam mal, pois ou se desatam ou são esmagados pelos meus amigos quando os seus vão perdendo o combate. Mas este parece um ganhador.
Onde está a caixa, pergunto-lhes com um grito. Quem trouxe a caixa? Um deles levanta a caixa de sapatos. Põe-na sobre o piso, arrodeamos e, no centro da arena de cartão, colocamos os piolhos atados com seu fio negro e piloso. Entre todos, sopramos forte para atiçá-los, mas o meu se desata assim que se inicia a batalha. Furioso, pulo várias vezes sobre a caixa. Acho que nenhum sobreviveu. Sem perder tempo, vamos todos correndo para espiar Cristina, enquanto ela se banha. Ali, vemos que, de tão longa, a torrente negra de seu cabelo serpenteia pelo seu torso até se fundir com o musgo azeviche de suas pernas.